.

Prefeitura não executa e a população diz que a culpa é dos vereadores

publicada em 26/06/2020 08:21 por JESSELANIA ANDREZA SILVA DOS SANTOS SAMPAIO

Por falta de ações da Prefeitura, em diversos setores, os vereadores de Laranjeiras estão sendo cobrados pela população, para que executem os serviços que é de obrigação da gestão municipal. Será que este é realmente o papel do vereador? Não, o legislativo é eleito para cobrar e fiscalizar o poder executivo e isso vem sendo feito a cada sessão realizada na Câmara Municipal, até mesmo neste período de pandemia do novo coronavírus, quando os encontros semanais acontecem de forma remota.

Na sessão desta quinta-feira, 25, os representantes do legislativo cobraram mais uma vez do prefeito Paulão da Varzinhas ações eficazes no enfrentamento ao novo coronavírus, assim como no combate à dengue, leptospirose (doença causada pela urina de rato) e a infestação de escorpiões na sede, bairros e povoados. Outros assuntos bastante debatidos foram o estrago causado pela chuva e os buracos, que, segundo os vereadores, estão deixando ruas intransitáveis, porém, a Prefeitura não vem realizando os reparos.

Há muito tempo, a cada sessão desta casa, eu e mais alguns colegas do legislativo cobram da Prefeitura ações eficazes para resolver a questão das enchentes em Laranjeiras, além do reparo nos buracos, mas, parece que a gestão municipal não quer tomar providências e, com isso, a cidade parece estar abandonada. No povoado Camaratuba, no bairro Mussuca e em outros vários locais nem os veículos do serviço essencial, como coleta de lixo, ambulância e carro de polícia podem ter acesso. Por conta disso, a população vem clamando para que os vereadores executem o serviço, mas o nosso papel é cobrar e fiscalizar a gestão municipal e isso a gente vem fazendo”, destacou o vereador José Carlos Sizino Franco (JJ).

O vereador JJ ressaltou também que a gestão municipal não está agindo de forma transparente com os vereadores e com a população. “Desde o início da gestão, o prefeito Paulão da Varzinhas não manda para esta casa a prestação de contas, que deveria ser mensal. Assim como, sequer presta contas dos R$ 5 milhões recebidos do Governo Federal para aplicar no combate à COVID-19. As ações para este fim são muito tímidas, quase nada, se levarmos em conta a gravidade de disseminação do coronavírus. Laranjeiras vive o caos”, disse JJ.

A vereadora Marizete dos Santos também reforçou que, no bairro Mussuca, a população já não sabe mais o que fazer e aonde cobrar, já que, por diversas vezes, a comunidade recorre à Prefeitura e as promessas não saem do papel. “Nós que morarmos no bairro Mussuca estamos vivendo um período difícil e sem ter a quem recorrer. As ruas, por exemplo, estão intransitáveis. Já pedimos, por diversas vezes que o município envie pelo menos o material e a gente mesmo executa o serviço, mas nem isso a prefeitura faz. Contudo, eu como vereadora não posso tirar do meu bolso para fazer esses reparos tão caros. Alguns vereadores já chegaram a tirar do seu próprio bolso o dinheiro para pagar consertos de encanação de rua e outros serviços, por que a gestão municipal não faz. Isso é um absurdo e a população precisa entender”, afirmou Marizete.

Os discursos dos vereadores JJ e Marizete dos Santos foram reiterados pela vereadora Brasilna Borges e Jânio Dias. “O Executivo (prefeito) é eleito pelo povo para executar os serviços. Cabe ao vereador cobrar esta execução e fiscalizar. Tenho certeza que o nosso pepel, enquanto vereadores, estamos fazendo, mas o executivo não vem atendendo o povo. A cidade está um caos, a população passando fome e o gestor não se preocupa. Sinceramente, já não sei o que fazer, já que o prefeito não atende sequer uma indicação nossa, quanto mais as reclamações dos laranjeiresnses”, frisou a vereadora.

Mais uma vez, na sessão desta quinta-feira, Jânio Dias se mostrou preocupado com as questões abordadas e pontuou que o número de casos do coronavírus aumenta de forma assustadora. “A cada dia, os dados da covid aumentam de forma assustadora e a gestão não executa ações eficazes. Nem mesmo a UBS de referência fica aberta nos dias de feriado, o que é um absurdo, diante da gravidade que estamos vivendo. Pessoas que procuram o hospital nem sempre encontram médicos. Venho recebendo algumas denúncias de moradores, tento falar com a secretária de saúde e não tenho resposta. Contudo, a quem podemos recorrer?”, enfatizou Jânio Dias.

 

FONTE: TDantas Comunicação/ASCOM CML.

Compartilhar | Imprimir


Mais Fotos...

5 visualizações