.

O Município

História

O atual município de Macambira foi desmembrado de Campo de Brito, como este de Itabaiana. Os costumes, e linguajar e outros caracteres sociológicos identificam o povo desses três municípios (Itabaiana, Campo do Brito e Macambira) como da mesma origem.

A história de Macambira como município começa em 1954. Nesse ano, no dia 23 de novembro, Macambira passou de povoado à cidade autônoma. Os nascidos em Macambira chamam-se macambirenses.

 

Calendário:

Janeiro

Festa de Santos Reis - Festa em praça pública com grandes atrações.

Dia 21: Festa de Santa Inês - Pov. Sobrado.

 

Março

Entrega de Peixes (Semana Santa).

Dia 19: Festa de São José - Conj. Zé Bedeu.

 

Abril

Bloco dos Caretas - Passeio pelas ruas com trio e banda.

 

Maio

São João Antecipado - Forró, com atrações de médio porte.

 

Junho

São João das escolas municipais.

São João da Assistência Social.

Dia 20: Festa de São Luiz - Pov. Sapucaia.

Dia 24: Festa de São João Batista - Pov. Taua.

Dia 29: Festa de São Pedro - Pov. Lagoa Seca.

 

Setembro

Dia 14: Festa da Santa Cruz - Pov. Cruz das Almas.

 

Outubro

Dia 4: Festa do Padroeiro Municipal - São Francisco de Assis.

Dia 8: Festa de Santa Terezinha - Pov. Pé de Serra de Bilau

Dia 12: Festa de Nossa Senhora Aparecida - Pov. Pé de Serra de Belinho

 

Novembro

Dia 23: Aniversário da Cidade - Missa, Café da Manhã e Festa com bandas de pequeno porte.

Dia 27: Festa de Nossa Senhora das Graças - Conj. Albano Franco.

 

Dezembro

Decoração natalina da cidade.

Dia 8: Festa de Nossa Senhora da Conceição - Pov. Lagoa Seca.

 

 

Conheça nossa cachoeira!

Por Silvio Oliveira

 

Não se sabe ao certo qual o tamanho do paredão que forma a cachoeira de Macambira. Alguns falam de 120m, outros 156m. O que se sabe é que a queda d´água é formado pela corredeira do rio Salgado, afluente do Vaza-Barris, e está entre as mais belas de Sergipe. Tudo isso a poucos 80km de Aracaju (SE).

São Francisco ou popularmente Macambira é a queda d´água mais famosa de Sergipe, que fica em propriedade particular, mas tem acesso irrestrito para o público. O local ainda não recebeu um projeto turístico ou sustentável. Apenas uma estrutura de madeira e palha conforta os que lá chegam, mas a falta de estrutura é compensada ao primeiro olhar do balneário.

No segundo plano da cachoeira

Uma ponte simples de madeira conduz os visitantes ao contato com a natureza quando se observa a cachoeira de cima. Ainda não é o melhor ângulo da queda d’água, mas percebe-se o quanto ela é alta. A pequena corredeira é um espetáculo entre vestígios de Mata Atlântica e cactáceos ainda na parte superior do paredão.

O show da natureza só está começando, quando a melhor pedida é percorrer uma pequena trilha até as pedras que dão acesso ao primeiro poço da cachoeira na parte inferior. A visão é espetacular ao olhar para cima ou até mesmo para baixo. O visitante escolhe para onde quer olhar e tem a sensação que ali é um pedacinho do paraíso sergipano que poucos conhecem.

Vista de cima

Para cima ver a água deslizar por paredões formando um pequeno e raso poção de água esverdeada. Para baixo observa a corredeira seguir tranquila formando um belo poço de águas mais tranquilas. Para onde quer que se olhe a natureza dá seu show, num misto de encatamento e contato com o relaxamento.

A dica é esquecer o tempo, sentir o ar puro, ouvir o barulho da água e se deliciar com o SPA natural. O relax toma conta do pedaço e passar momentos de pura tranquilidade é para poucos que apreciam o contato consigo e com a natureza, mesmo que o barulho natural seja quebrado com o som do carro estacionado pertinho dali. A cachoeira de Macambira é um bom passeio para o final de semana.